domingo, 19 de maio de 2024
Richesse atende 2 mil clientes por dia e quer abrir franquias

Richesse atende 2 mil clientes por dia e quer abrir franquias

A empresária Rita de Cássia Cascão estudou boa parte de sua vida para ser pianista, mas a veia empreendedora e o talento para fazer doces as levaram a abrir a Richesse, hoje referência no setor de confeitarias em Goiás e no País. Todos os dias passam 2 mil clientes pelas quatro lojas da confeitaria, que […]

14 de agosto de 2017

A empresária Rita de Cássia Cascão estudou boa parte de sua vida para ser pianista, mas a veia empreendedora e o talento para fazer doces as levaram a abrir a Richesse, hoje referência no setor de confeitarias em Goiás e no País. Todos os dias passam 2 mil clientes pelas quatro lojas da confeitaria, que vende salgados, tortas doces, tortas salgadas, doces, diet e light, doces refinados, chocolates e sorvete italiano. A empresa goiana tem a matriz no Setor Oeste, outra unidade no Setor Marista e lojas no Flamboyant Shopping Center e no Goiânia Shopping, além da fábrica responsável por toda a produção.

Rita de Cássia administra a empresa com o marido Odilon Cascão Jr. “Não tem como usar uma matéria-prima mais ou menos e sair um produto de qualidade. Sempre respeitamos o paladar do nosso cliente”, conta Rita de Cássia ao EMPREENDER EM GOIÁS, na loja da Richesse da Avenida República do Líbano, no Setor Oeste.

Outro segredo para o sucesso, segundo a empresária, é a capacidade de produção da Richesse, que conta com 75 funcionários – quase a metade dos seus 150 colaboradores – para atender a demanda das lojas, das encomendas de balcão e eventos como casamentos e festas de 15 anos.

Rita de Cássia administra com o marido quatro lojas e a indústria responsável por toda produção da Richesse

“A produção de torta é uma, a de doce é outra e a de chocolate tem a sua área específica. Temos estrutura para atender a toda nossa demanda”, diz. Os números dessa estrutura impressionam. “A nossa compra é equiparada a de atacadistas”, revela Geomarques Marcelino que, ao lado de Maria Cristina Martins, é um dos braços direitos de Rita e Odilon na Richesse. Segundo ele, são quatro toneladas de chocolate e quatro toneladas de leite condensado por mês.

A Richesse planeja realizar repaginada na marca, o que inclui a reforma na loja do Setor Oeste, local onde Rita de Cássia morou e abriu a primeira unidade da confeitaria. Depois disso, a intenção é desenvolver um projeto de viabilidade para transformar a empresa em franquia, atendendo pedido de empreendedores que nos procuram. “Temos pedidos de pessoas de Brasília, Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Tocantins e Santa Catarina que nos procuram por conhecerem a qualidade de nossos produtos e demonstraram interesse em ser nossos parceiros”, conta Geomarques Marcelino.

Pais foram contra
Inaugurada em 1991, a Richesse foi a realização de um sonho de adolescência de Rita, que sempre gostou de fazer doces. No início, a produção era para consumo em reuniões de amigos que ela recebia em casa. A própria Rita fez os doces servidos no casamento dela, em 1983. “Foram mais de mil convidados e eu fiz todos os doces”, afirma. Os pedidos pelos doces começaram a aumentar e, com eles, o sonho de montar a própria confeitaria. No entanto, os pais Pérola do Vale e Antônio Ferreira Faria foram contra a ideia. Mesmo assim, ambos lembraram à Rita de Cássia do imóvel, onde hoje é a loja do Setor Oeste. Mas, em contrapartida, cobraram que ela terminasse a graduação em piano.

Minha mãe disse que sabia que se eu abrisse a confeitaria não voltaria para o piano nunca mais. Dito e feito”, afirma a empreendedora O pai foi mais direto. “Ele quase desmaiou e me disse: você se formou em piano e vai vender coxinha?”, conta ela, rindo da lembrança.

Aproveitando um mercado quase inexistente em confeitarias especializadas, a Richesse cresceu. Em oito meses, Rita de Cássia deu um pequeno ultimato ao marido Odilon, que trabalhava na Saneago, mas já ajudava na gestão da confeitaria. “Eu disse que ou ele vinha para assumir o negócio de vez ou fecharia. Eu não estava dando conta”, relembra. Odilon tirou licença do cargo na estatal para se dedicar ao negócio. A consequência foi uma expansão física da loja, que ajudou a acomodar a clientela. “Todo ano, nós tínhamos uma reforma. Ele é um grande empreendedor na área de construção”, elogia a empresária, que se dedicou à parte da produção, buscando inovação em feiras alimentícias no exterior e também em visitas a chefs e confeitarias de sucesso em São Paulo.

Expansão
A busca incessante por conhecimento também foi importante para o crescimento da Richesse. Em 1999, com a abertura da segunda unidade do grupo, no Setor Marista, um novo produto foi trazido para Goiânia: o sorvete italiano, que impulsionou o movimento na loja. Em 2003 abriram uma unidade no Shopping Buena Vista que, em 2012, foi transferida para o Goiânia Shopping.

Em 2009, atendendo ao convite do empresário Lourival Louza, do Grupo Flamboyant, Rita e Odilon inauguram uma unidade no centro de compras. “Lourival e sua família sempre frequentaram nossa loja do Marista e ele nos convidou para abrir uma unidade no shopping”, conta Geomarques Marcelino Em 2015, a unidade é reformada e reinaugurada, desta vez ocupando um lugar de destaque na nova praça de alimentação do centro de compras.

A demanda dos clientes também foi responsável por outra expansão na Richesse. Entre 2007 e 2008, os pedidos para realizar eventos apareciam com frequência, o que levou Rita e Odilon a se arriscarem no negócio. Atualmente, a Richesse chega a fazer três eventos por dia em um final de semana movimentado.

 

Wanderley de Faria é jornalista especializado em Economia e Negócios, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA/FEA/USP - BM&FBovespa

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não será publicado.

11 thoughts on “Richesse atende 2 mil clientes por dia e quer abrir franquias”

  1. clayton Dos Santos disse:

    Bom dia , Gostei dos detalhes desse empreendimento. gostaria de saber sobre a franquia
    como abrir , quais as exigências, valor e etc

  2. Márcio Roberto Barbosa disse:

    Como faz pra adquirir uma franquia?
    Meu contado!
    063 992813009

  3. Elaine disse:

    Quero muito saber se existe a possibilidade de uma franquia para Goianesia Goias

  4. RENER GUIMARÃES - 062 981592064 disse:

    Tenho muita vontade de abrir uma loja igual a de vocês, tive um comércio em Goiânia por 22 anos , tive que fechar e entregar o imóvel, pela minha mudança para o interior, aqui não tem nada, seria muita pretensão minha , ter uma franquia de vocês na minha cidade Pontalina-Go, fica a 125 km de Goiânia.

  5. RENER GUIMARAES disse:

    Boa Tarde.
    Sempre tive admiração pela loja de vocês. Fui cliente de vocês, em Goiânia, durante muito tempo.
    Fui comerciante , no setor marista, no setor de alimentação por 22 anos. Hoje estou morando em Pontalina(GO), e tenho interesse de colocar uma franquia de vocês. Gostaria , caso tenham interesse que me mandasse todas as condições
    Para a realização do meu sonho.
    Obrigada!
    Rener Guimarães – 62 981592064

  6. Laís Machado disse:

    Boa noite! Tenho interesse em uma franquia. Como faço pra entrar em contato e saber mais detalhes ?? Meu fone (62)985590401

  7. Frederico Gruszczynski disse:

    Boa tarde , Gostei dos detalhes do empreendimento Gostaria de abrir uma em Cuiabá. gostaria de saber sobre a franquia como abrir , quais as exigências, valor e etc.
    Meu número 65 98138-9898

  8. Regina Alessandra dos Santos disse:

    Boa noite como faço ser franqueado.. Alguém poderia me informar,se está confeitaria trabalha com franqueados?

  9. Monica disse:

    Boa tarde! Gostaria de saber sobre a franquia , se puderem entrar em contato .

  10. Alércia Martins disse:

    Tenho interesse em saber como adquirir uma franquia de vocês. 62-98480-2427

  11. Rodrigo disse:

    Me interesa una franquicia