quarta-feira, 17 de abril de 2024
Economia descolou da crise política? Sim, mas nem tanto

Economia descolou da crise política? Sim, mas nem tanto

Os últimos indicadores, especialmente os deste ano, apontam para uma (ainda lenta, bem verdade) recuperação da economia brasileira. Então, a economia real descolou da crise política no País? A grande maioria dos empresários goianos ouvidos pelo EMPREENDER EM GOIÁS afirma que sim, mas não na velocidade que eles e os trabalhadores (especialmente os desempregados) gostariam. […]

4 de novembro de 2017

Os últimos indicadores, especialmente os deste ano, apontam para uma (ainda lenta, bem verdade) recuperação da economia brasileira. Então, a economia real descolou da crise política no País? A grande maioria dos empresários goianos ouvidos pelo EMPREENDER EM GOIÁS afirma que sim, mas não na velocidade que eles e os trabalhadores (especialmente os desempregados) gostariam. Confira a opinião de cada um:

JOSÉ ALVES FILHO

Presidente do Instituto Democrativa

“A economia continua sua trajetória, mas poderia estar melhor. O governo federal tem de organizar e colocar em ação um plano para retomada estrutural do crescimento da economia.Continua obcecado por cobrir o déficit público, agora com ensaios de aumento de impostos. Poderia ser um governo muito menos popular, mas infelizmente não tem apetite pelo desenvolvimento, não tem vontade de favorecer menos os rentistas.  Deveria reduzir o compulsório, utilizar os bancos públicos para restabelecer o crédito para as empresas, criar linhas de crédito especiais para a venda de imóveis e carros, alavancando essas duas importantes indústrias que gerariam milhares de empregos, realizando uma decolagem já tardia. A inflação já está sob controle há meses, os juros ainda têm muito espaço para chegar a níveis inferiores a 6% ao ano. Faltam efetivamente predicados desenvolvimentistas. O presidente Michel Temer e o ministro Henrique Meirelles, também o Congresso Nacional, precisam de muito maior pressão por parte dos empresários e trabalhadores.”

 

WILSON DE OLIVEIRA

Vice-presidente da Fieg

“A economia está deixando a crise política de lado e seguindo seu curso natural. Os empresários decepcionados, constrangidos e preocupados sabem que não é um salvador da Pátria que vai resolver todos os problemas do Brasil, mas sim a recuperação da economia. Esta crise ética, que levou a uma crise política e afetou a economia, já deu. Precisamos colocar a economia nos trilhos e só vamos conseguir isto com muita união, esforço e patriotismo. Que Deus nos ajude!”

 

JOSÉ EVARISTO DOS SANTOS

Presidente da Fecomércio

“Considerando alguns indicadores da economia como taxas de juros (Selic), inflação, bolsas em alta, PIB acima de zero, volume de vendas no comércio acima do ano anterior, agricultura em bom ano, indústria estável, geração de empregos melhor, exportações em alta, dólar estável, entre outros, e com o descrédito dos políticos e governos, acredito que a economia está, sim, buscando crescer sem olhar no retrovisor.”

 

SHIRLEY LUIZA OLIVEIRA
Presidente do Sincodive-GO

“Não descolou. É preciso acertar este posicionamento político para ter mais segurança e emprego. Com mais estabilidade e credibilidade no País.”

 

MARCELO MADALENA
Sócio-Diretor do Arroz Cristal

“A economia descolou da crise política devido à credibilidade da equipe econômica formada por Henrique Meireles e das suas propostas de controle aos gastos públicos.”

 

HERIBALDO EGÍDIO

Presidente do Sindicato das Indústrias Farmacêuticas em Goiás

“Estamos ainda neste processo de descolamento. Os números começam a ficar positivos, embora ainda de forma tímida, mas os indicadores mostram que a economia voltou a crescer organicamente. No Brasil, a economia e política sempre caminharam juntas, mas agora vejo que os empresários começaram a entender que temos um mercado consumidor gigante. Para que voltemos a crescer de forma mais consistente, basta que o governo não atrapalhe tanto.”

 

 

LUCAS SOUZA

Presidente da Federação dos Jovens Empreendedores de Goiás

“Não descolou 100%. Na verdade, em nenhum país no mundo haverá este descolamento entre política e economia. Mas diria que hoje a economia brasileira está 60% descolada da crise política. Digo isto porque nas questões constitucionais ainda temos muitos entraves que somente a política irá resolver. Na Bolsa de Valores, indicador de investimentos, já percebemos que maior autonomia da economia aos escândalos, mas muitos investidores ainda estão preocupados com os novos fatos e o desenrolar das notícias em Brasília”

Wanderley de Faria é jornalista especializado em Economia e Negócios, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA/FEA/USP - BM&FBovespa

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não será publicado.