sábado, 13 de abril de 2024
Tio Bákinas se reposiciona e evolui na crise

Tio Bákinas se reposiciona e evolui na crise

A rede de hamburgueria goiana Tio Bákinas agora é tioBák, um reposicionamento de marca que inclui mudança no perfil  do negócio em geral. As próximas unidades da rede, hoje com 21 franqueados, virão no novo conceito de lojas, menores (chamadas de “pocket”), com a possibilidade de acrescentar telas de toque para o cliente fazer seu pedido, tecnologia de autoatendimento que […]

25 de junho de 2018

Rafael Campos (Rafa), José Borges (Zé) e Carlos Eduardo (Dudu) posam na frente da loja do Setor Pedro Ludovico, que será modelo, com a nova marca da empresa

A rede de hamburgueria goiana Tio Bákinas agora é tioBák, um reposicionamento de marca que inclui mudança no perfil  do negócio em geral. As próximas unidades da rede, hoje com 21 franqueados, virão no novo conceito de lojas, menores (chamadas de “pocket”), com a possibilidade de acrescentar telas de toque para o cliente fazer seu pedido, tecnologia de autoatendimento que os sócios apelidaram de “Tio Go”.

A primeira unidade do novo modelo será lançada na primeira semana de julho, no Setor Pedro Ludovico, em Goiânia. “Estamos nos adaptando a uma mudança de hábitos do consumidor, sem perder nossa essência, que sempre foi servir sanduíches de qualidade de forma simples, acessível e rápida. Seguimos nosso propósito mais ambicioso, que é fazer o melhor sanduíche de 4 dólares do mundo”, diz  José Borges (Zé),  um dos três sócios da rede e criador do negócio em 2009. O investimento nesse novo posicionamento foi de R$ 200 mil.

A meta da rede tioBák é fechar o ano com duas novas unidades e incrementar as vendas em 10%, atingindo 55 mil sanduíches por mês. A estratégia de expansão contempla unidades próprias e franqueadas, contam os sócios Zé, Carlos Eduardo e Rafael Campos, que era franqueado e passou a integrar o trio de sócios em 2013. A rede tem cerca de 150 funcionários diretos.

Cada nova unidade  tioBák no modelo “pocket”  custará ao franqueado cerca de R$ 140 mil. “O grande pulo do gato nesse novo modelo para o franqueado será ter volume a um custo fixo inicial baixo”, explica Carlos Eduardo, que cuida da área comercial da rede. O serviço de delivery, outro diferencial, segue o mesmo, agora com volume expressivo e fazendo parte de grandes contas do Ifood em Goiânia, o serviço de pedido de alimento por aplicativo de celular.

Com o enxugamento geral do negócio (de custos e proposta de franquia), o novo  tioBák já chega aguçando empreendedores. Apesar da meta modesta de duas lojas neste ano, eles revelam já ter conversas com potenciais franqueados em Palmas (TO), Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo, além do interior goiano (Itaberaí e Goianésia). Se efetivarem o negócio, todos virão com lojas  tioBák menores e mais tecnológicas.
Delivery + Franguitos

Para o cliente, contam os sócios, as novidades também trazem vantagens. Além da agilidade, com a expectativa de entregar o sanduíche em até três minutos, o tamanho da carne do hambúrguer cresceu de 100 gramas para 130 gramas, sem alterar preço. Além disso, foram lançados pratos para incrementar o faturamento no horário de almoço. “Estamos animados, queremos mexer com a emoção das pessoas, como sempre fizemos desde o início no Parque Amazônia, vendendo sanduíches de qualidade, com agilidade e bom preço”, diz Zé ao relembrar o início do pequeno negócio, com uma injeção de apenas R$ 300.

Era fevereiro de 2009 e ele, o Tio Bákinas (nome inventado pelo sobrinho ainda criança) fazia de tudo. Da chapa à entrega. Alguns meses depois, entrou Carlos Eduardo, o Dudu, seu irmão caçula. Dudu já entrou cuidando da área comercial, o que segue fazendo até hoje. Ficaram um ano no Parque Amazônia, vendendo de 25 a 30 sanduíches por dia. O boca a boca dos clientes e a entrega delivery vitaminavam o negócio.

No ano seguinte, surgiu a oportunidade de se mudarem para a Praça da T-23, no Setor Bueno, onde a fama de hambúrguer bom e barato se espalhou ainda mais. As redes sociais também já eram fortes aliadas. As vendas saltaram para 50 sanduíches/dia e rapidamente dobrou. Era 2011, a chapa do Tio Bákinas não parava, já havia se tornado uma potência no delivery, o que incrementou ainda mais as vendas do Tio.

Animados, Zé dá mais uma tacada certeira e inventa o Franguitos como acompanhamento dos sanduíches. O Franguitos é uma receita própria de tiras de frango crocante, uma guloseima a mais que caiu no gosto dos goianos. “O Franguitos foi um marco importante para a gente, deu um gás nos nossos combos”, diz Dudu.
No ano seguinte, 2012, em meio a uma nova unidade que acabou não dando certo no Setor Marista, a rede Tio Bákinas começava a se formar, inicialmente apenas como licença de uso da marca, um combinado longe da atual formatação profissional de suas franquias. “O contrato tinha apenas duas folhas”, lembra rindo o diretor de marketing Rafael Campos. Foram quatro lojas nesse modelo à época, que somavam um giro de 500 sanduíches/dia na Grande Goiânia.

Underdog

Com o crescimento das vendas, o Tio Bákinas passou a investir na produção própria para abastecer sua nascente rede. Em 2014, o trio produzia os ingredientes para a rede em uma cozinha de 200 m² no Setor Celina Park. Já tinham um caminhão refrigerado que transportava diariamente 1.000 sanduíches/dia para suprir 10 lojas franqueadas em Goiânia, Aparecida de Goiânia e Anápolis.

De vento em popa, o trio cria nesse ano uma nova marca: Underdog, um negócio que incluía cachorro-quente e açaí e que eles não queriam que se confundisse com a tradição hamburgueira do Tio Bákinas. A Underdog segue só com duas, mas lucrativas lojas em Goiânia. 2015 foi outro ano-marco para o Tio Bákinas. Com o crescimento exponencial da rede (já somavam 20 lojas), buscaram ajuda do Sebrae para formatar melhor a rede franqueada e iniciou a terceirização da produção dos ingredientes principais dos sanduíches do Tio. Um ano depois a rede somava 24 unidades, incluindo a primeira fora de Goiás, em São Paulo.

O negócio ia bem, obrigado, mas o país já entrara no turbilhão da crise político-econômica que afetou as expectativas também do jovem Tio Bákinas. Em 2017, com o faturamento  em queda foi necessário reinventar o negócio, o que deu início a várias mudanças nas diretrizes da rede.

Apelidada de revolução, estas mudanças têm como principais pilares: acreditar ainda mais nas pessoas, empatia com clientes e franqueados, ajudar quem quer ser ajudado, mexer com a emoção das pessoas e construir uma base sólida para um crescimento orgânico. O reposicionamento da marca coloca a rede ao encontro com as necessidades do mercado e de seus clientes.

O portal EMPREENDER EM GOIÁS tem como principal objetivo incentivar, apoiar e divulgar os empreendedores goianos com conteúdos, análises, pesquisas, serviços e oportunidades de negócios.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não será publicado.