segunda-feira, 15 de abril de 2024
Grupo Saga deixará de ser concessionário Ford em Goiás

Grupo Saga deixará de ser concessionário Ford em Goiás

O Grupo Saga anunciará nos próximos dias sua decisão de não mais trabalhar com a marca Ford em Goiás . A partir de 1º de março, as operações da Ford em Goiânia ficarão, exclusivamente, sob os cuidados do Grupo Navesa/Ciaasa, que há mais de 50 anos é autorizada da marca em Goiás. Ao Empreender em […]

14 de fevereiro de 2019

O Grupo Saga anunciará nos próximos dias sua decisão de não mais trabalhar com a marca Ford em Goiás . A partir de 1º de março, as operações da Ford em Goiânia ficarão, exclusivamente, sob os cuidados do Grupo Navesa/Ciaasa, que há mais de 50 anos é autorizada da marca em Goiás.

Ao Empreender em Goiás, o CEO do Grupo Saga, Sérgio Maia, explicou que a transferência das operações da concessionária Parque Ford, fundada há 10 anos pela Saga, para o Grupo Navesa/Ciaasa foi realizada em comum acordo com a Ford do Brasil. “ É uma adequação de mercado e resultado das mudanças que a Ford implementará nos próximos três anos em sua operação no Brasil”, afirmou.

Com 47 anos de mercado, o Grupo Saga, um dos três maiores players nas vendas de veículos do Brasil, trabalha com 14 marcas de veículos nos Estados de Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso, Maranhão e Roraima: Volkswagen, Chevrolet, Fiat, Toyota/Lexus , Jeep/Chrysler/Ram/Dodge, Audi, BMW/Mini, Jaguar Land Rover, Hyundai, Nissan, Renault, Citroën, Peugeot e Kia, além da Triumph, marca de motocicletas.

Reestruturação

O setor automotivo vive um momento de mudanças em todo o mundo. General Motors e Ford passam por forte reestruturação em suas matrizes nos Estados Unidos, com fechamento de fábricas, redução de pessoal e suspensão de produção de vários modelos de automóveis. Recentemente, a Ford e a Volkswagen anunciaram uma aliança para a produção de veículos comerciais, com o objetivo de trazer eficiências para ajudar ambas as empresas a melhorar seu desempenho.

Os efeitos já chegaram ao Brasil. Recentemente, o presidente da General Motors Mercosul, Carlos Zarlenga, divulgou comunicado aos funcionários afirmando que será preciso aprovar um plano de viabilidade dos negócios na região (Brasil e Argentina) que requer apoio do governo, concessionários, empregados, sindicatos e fornecedores. “Do sucesso deste plano dependem os investimentos da GM e o nosso futuro”, diz o documento.

Também há receios no mercado de que a Ford, que afirma ter prejuízos no Brasil desde 2013, possa fechar fábricas – movimento negado pela empresa várias vezes. Nos Estados Unidos, a companhia passa por forte reestruturação e decidiu parar gradativamente a produção de carros menores e focar apenas em utilitários-esportivos (SUVs) e picapes, produtos mais rentáveis.

Atualmente, a fábrica da Ford em São Bernardo do Campo (SP)produz apenas o hatch Fiesta (que vendeu apenas 16 mil unidades em 2018), além de caminhões. Os trabalhadores temem pelo fechamento da unidade, a mais antiga do grupo no País. A unidade opera com a metade de sua capacidade.

“Era de se esperar que essas reestruturações chegariam ao Brasil, mas não acredito que nenhuma delas vá deixar o País”, afirmou Paulo Cardamone, presidente da consultoria Bright. “Talvez até possam reduzir o número de fábricas, mas não vão sair num momento em que o mercado está se recuperando, principalmente depois do sufoco que passaram nos últimos anos.”

O portal EMPREENDER EM GOIÁS tem como principal objetivo incentivar, apoiar e divulgar os empreendedores goianos com conteúdos, análises, pesquisas, serviços e oportunidades de negócios.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não será publicado.

2 thoughts on “Grupo Saga deixará de ser concessionário Ford em Goiás”

  1. Welder disse:

    Então no espaço onde funciona a PARQUE FORD (SAGA) ira manter outro nome da nova revenda (NAVESA ou CIAASA) no mesmo local ou não. Será uma mudança igual foi foi feita anos atrás entre RENAUTO -> NAVESA e RENAUTO JAPAN -> SAGA NISSAN.

  2. Empresas գue utilizam transportes de terceiros.