quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024
SGPA busca parceiros para revitalizar Parque de Goiânia

SGPA busca parceiros para revitalizar Parque de Goiânia

Ao decidir não mudar de local o Parque de Exposições de Goiânia, a entidade busca empresas para investir na revitalização da estrutura atual.

12 de junho de 2023

Sede da SGPA fica no Parque de Exposições de Goiânia: ideia é construir até shopping no local

A Sociedade Goiana de Pecuária e Agricultura (SGPA) está cadastrando empresas interessadas em apresentar projetos para transformação do Parque de Exposições Agropecuário de Goiânia. A entidade publicou uma “carta-convite ao mercado empreendedor” abrindo prazo de 30 dias, contados a partir do último dia 5, para o cadastramento dos interessados.

Conforme a carta-convite, o objetivo da iniciativa é a exploração comercial da área consorciada à transformação e revitalização do parque, de propriedade da SGPA. A área tem mais de 120 mil metros quadrados. O trabalho será em parceria com o Conselho de Desenvolvimento Econômico, Sustentável e Estratégico de Goiânia e Região Metropolitana (Codese).

Presidente da SGPA, Gilberto Marques Neto lembra que em 2009 chegou a ser apresentada uma maquete de um novo parque. O projeto incluia área de 11,5 alqueires, na saída para Nerópolis, doada à entidade. No entanto, a ideia amadureceu e não há intenção de deixar o local onde o parque está instalado, no Setor Nova Vila. “Nas não faz sentido sairmos daqui, dessa área tão especial”, afirma. Ele cita como exemplo o parque Fernando Costa, em Uberaba (MG), instalado em um local equivalente à localização da Praça Cívica.

“A qualquer lugar que o parque de exposições for, a cidade vai rodeá-lo”, justifica o pecuarista. Assim, o entendimento predominante entre os quase 5 mil associados à SGPA é de que o parque pode continuar na cidade, mas revitalizado. “A grande maioria da vizinhança é favorável à permanência. Além disso, há um levantamento que aponta que nosso parque está entre as três áreas mais valiosas do Centro-Oeste”, acrescenta.

Shopping rural

Gilberto Marques Neto adianta que a ideia é concentrar os vários pavilhões de gado no local em um grande recinto com pé direito alto. Para que possam receber estandes de empresas e animais para exposição. “Esse recinto servirá no decorrer do ano para fazer convenções, grandes eventos, que muitas vezes Goiânia perde por falta de espaço”, analisa.

“Nosso objetivo, de uma forma muito clara, é transformar esse parque no principal ponto turístico de Goiânia. Fazer uma Rua do Lazer como em Pirenópolis, um polo gastronômico, um shopping com negócios rurais de uma forma que os empreendedores saberão muito bem sugerir”, frisa. Segundo ele, a SGPA chamou o Codese para apoiar de uma forma transparente, nós queremos dar a chance de ouvir propostas do mercado.

Presidente do Codese, Carlos Alberto Júnior diz que o objetivo é dar uma destinação maior ao parque agropecuário. E não apenas duas vezes ao ano, mas de forma contínua. Nesse sentido, aponta Carlos Alberto, é preciso ajustar o parque à realidade da cidade hoje. Com um projeto sustentável, com tratamento acústico e de efluentes e, principalmente, obedecendo ao Plano Diretor de Goiânia. “Vamos ouvir o mercado para que apresente suas propostas”, diz. Contudo, ele enfatiza que a área não pode ser vendida.

Nesse sentido, os participantes deverão apresentar as propostas estruturadas em três partes. A primeira, sobre o aspecto jurídico, com documentação, certidões, garantias. A segunda, técnica, com as propostas propriamente ditas. E a terceira contemplando a parte econômica, a indenização da SGPA pelo uso da área mediante concessão.

Polo da 44

Depois do prazo para cadastramento, será aberto outro de 90 a 120 dias, para a elaboração e apresentação dos projetos. Carlos Alberto sugere uma forma de conectar a área do parque à da Rua 44, que fica bem próxima. A região da 44 recebe mensalmente 1 milhão de compradores, ocupa o quinto lugar no ranking do Produto Interno Bruto (PIB) e gera 15 mil empregos diretos e 100 mil indiretos. “Essa conexão é um sonho pessoal”, observa.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não será publicado.