segunda-feira, 4 de março de 2024
Não está fácil: 40% entram endividados em 2024

Não está fácil: 40% entram endividados em 2024

Aperto nos cintos: em comparação com 2023, 43% dos brasileiros pretendem evitar ainda mais os gastos no próximo ano.

30 de dezembro de 2023

A história se repete: 4 em cada 10 brasileiros vão começar 2024 em meio a dívidas. É o que mostra a pesquisa “Expectativas 2024”, estudo realizado pela Hibou – empresa de pesquisa e insights de mercado, comportamento e consumo.

Os débitos entre os 41% que estão devendo chegam a R$ 5.000 para metade deles: 4% devem até R$ 500; 16%, de R$ 500 a R$ 2.000; 30% estão em dívidas de valores entre R$ 2.000 e R$ 5.000. Com cifras mais altas, entre R$ 5.000 e R$ 15.000, estão 27% dos brasileiros, enquanto 22% devem mais de R$ 15.000.

Diferente destes, para 2024, 50% vão celebrar a passagem de ano mais tranquilos e com as contas em dia. Já 9% vão comemorar com dinheiro sobrando.

Pé no freio

Com um cenário desfavorável, o estudo mostra que 43% dos brasileiros pretendem evitar mais os gastos em 2024 do que fizeram em 2023. 24% vão manter o consumo, enquanto 13% acham que vão gastar mais. 20% ainda não têm certeza das suas finanças.

As promoções no comércio serão perseguidas por mais da metade dos brasileiros (52%) em 2024. Eles vão buscar mais chances para comprar com preços melhores. Com o objetivo de não mexer no bolso, 45% vão economizar tudo que puderem e 17% pretendem usar cupons de desconto com mais frequência.

Para gastar seu dinheiro, 30% dos pretendem manter os hábitos de compras pela internet; 27% vão às compras tanto em lojas físicas quanto online e 6% querem comprar mais presencialmente. O investimento em cuidados pessoais com pele, looks e cabelo será mantido por 41%; 16% querem renovar o guarda-roupas e 11% vão gastar experimentando novas bebidas e sabores. 21% desejam usar mais o carro para passeios ou viagens.

Planos

Os cuidados com o bolso e a saúde estão no topo das resoluções de ano novo: 76% querem cuidar da saúde e 52% pretendem economizar. Além dessas pretensões, 44% querem ler mais; 40% desejam maior proximidade da família; e viajar pelo Brasil (37%) ou exterior (23%).

Na vida pessoal, a saúde permanece no topo das prioridades. 74% querem ter mais qualidade de vida, exercitando o corpo e a mente e, na sequência, manter o relacionamento atual é o desejo de 37%. As novidades e desafios estão na mente de 32%, que desejam experimentar novos projetos. Também estão na lista o engajamento em atividades sociais em prol da sociedade (29%) e maior consumo de produtos orgânicos (24%).

Os estudos também estão no radar. 31% querem maior qualificação profissional e vão estudar online; 19% vão se arriscar em novos desafios e visam mudar de área; 18% pretendem finalizar algum curso, com faculdade, pós-graduação ou idiomas. Com foco em melhoria dos negócios e gestão de equipe, 13% vão participar de cursos. E enquanto 11% vão procurar emprego, 8% acreditam que vão trabalhar mais do que durante a pandemia.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não será publicado.