segunda-feira, 4 de março de 2024
De vítima de racismo a dona de buffet

De vítima de racismo a dona de buffet

Conheça a história de superação da empresária Carmem Brito, que vem se consolidando no ramo gastronômico em Goiânia.

4 de fevereiro de 2024

Carmem Brito, dona do Brito Buffet, que tem 30 funcionários e atende todos os tipos de eventos

Um episódio de racismo e gordofobia poderia levar uma pessoa a desistir dos seus sonhos. Mas a situação serviu como combustível para a chef Carmem Brito dar a volta por cima. Após ser discriminada por ser preta e gorda, ela decidiu então usar os seus dons culinários para realizar um sonho: viver de maravilhas feitas na cozinha. Assim, deu início ao Britos Buffet.

A empresária, de 57 anos, que nasceu no estado de São Paulo, se mudou para Goiânia há 18 anos. Natural de Praia Grande, conta que sempre foi apaixonada em cozinhar para a família e amigos. Porém, Carmem afirma que não foi de imediato a inserção no ramo gastronômico.

Convidada para trabalhar com um primo estilista, ela aceitou o desafio pois gostava do que fazia. Entretanto, a presença da cozinha sempre estava atrelada ao meio da moda, já que ela ajudava na organização dos coquetéis. Em determinado momento, Carmem largou as passarelas para se dedicar aos pratos.

“Ele me chamou para ajudá-lo na logística e acabei ficando em Goiânia. Foi muito bom. A gente fazia feiras de roupas, atendia as excursões e era a vendedora exclusiva dele. Nesse meio, a gente experimenta muita comida gostosa, mas eu também cozinhava muito. Já tiveram situações que, em dias de desfile, eu estava fazendo o cardápio dos coquetéis. Desse modo, esses foram os meus primeiros eventos”, lembra.

Volta por cima

A empresária lembra que o triste episódio ocorreu quando buscava trabalhar como garçonete com uma amiga em um buffet. Porém, ela conta que não foi contratada pelo fato de ser negra e gorda. “A dona do buffet não contratava pessoas negras. Tem que ser pessoas brancas e magras. E eu, que era negra e um pouco gordinha, fui recusada”, relembra.

Apesar disso, Carmem não parou, obviamente. Junto com o marido e os três filhos, atualmente com 22, 17 e 14 anos, decidiu montar a Equipe Brito Buffet. A empresa atende todos os tipos de eventos: sociais, corporativos, casamentos e aniversários. A empresa tem 30 funcionários, dentre chefs, ajudantes de cozinha, bartenders e outras funções.

O reflexo disso é um nome que vem se consolidando no mercado. Carmem relembra que um dos eventos mais emblemáticos que fez foi um aniversário da filha do dono de um bar famoso de Goiânia. Dentro da Arena Multiplace, um dos espaços mais movimentados nos últimos tempos para eventos na capital. O local conta com buffet próprio, mas o empresário e a filha fizeram questão da equipe de Carmem realizar o atendimento aos seus convidados.

“Foi um desafio muito grande, porque lá já tinha um buffet da casa. Mas eles defenderam a nossa presença. Lembro que ele disse: ‘Nós queremos só o espaço. O buffet será o dela’. E foi uma festa voltada para influencers, com muitas pessoas famosas. Elas amaram a nossa comida, o nosso cardápio do início ao fim, do nosso atendimento. A festa foi linda e hoje faço ainda mais eventos lá”, conta.

Segredos e futuro

Carmem confessa que o prato que mais gosta de fazer é a massa e que prefere fazer receitas salgadas do que doces. Entretanto, ela afirma que se garante quando se “atreve” a fazer alguma guloseima. O fato é que o sucesso do buffet é tamanho que ela chega a fazer entre três a quatro eventos por final de semana durante o mês.

A empresária conta que pretende aumentar para cinco a quantidade de eventos realizados por fim de semana. Para isso, irá fazer uma viagem internacional para se especializar ainda mais em culinária estrangeira. Tudo isso para poder oferecer melhores serviços aos seus clientes.

“O nosso objetivo é expandir e trazer muito mais para os nossos clientes. A gente quer trazer excelentes experiências. Eu brinco que, se a gente entrega um evento 100% maravilhoso, eu quero que ele seja 200% maravilhoso. Por isso, decidi ir para a Europa esse ano para me especializar. Fazer cursos de alta gastronomia para que possa elevar ainda mais o nosso padrão gastronômico à uma ótima experiência com os meus clientes, que trato como amigos”, enfatiza.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não será publicado.

One thought on “De vítima de racismo a dona de buffet”

  1. Sandra Andrade da Silva disse:

    Parabéns Carmem!
    Sucesso em sua vida profissional, familiar, Deus continue abençoando você e toda sua equipe.
    Tive o privilégio de degustar sua deliciosa comida.