terça-feira, 18 de junho de 2024
Pré-candidatos defendem polos empresariais em Goiânia

Pré-candidatos defendem polos empresariais em Goiânia

Pré-candidatos a prefeito afirmam que polos empresariais beneficiarão a economia de Goiânia. Confira o que cada um defende.

26 de maio de 2024

O cenário para a corrida pela Prefeitura de Goiânia vem se configurando e, com isso, algumas demandas têm ganhado destaque. A economia é uma delas. O EMPREENDER EM GOIÁS já destacou a defesa das principais entidades empresariais de Goiás pela implantação de polos industriais e comerciais na capital.

As lideranças empresariais são unânimes em defender a importância de Goiânia ter áreas que ajudem o desenvolvimento da economia local. Especialmente nos bairros mais populosos e afastados da região central da capital. Mas que também respeitem o meio ambiente.

Agora, o EMPREENDER EM GOIÁS reportagem ouviu com exclusividade os cinco pré-candidatos a prefeito melhores colocados nas últimas pesquisas. São eles (em ordem alfabética): Adriana Accorsi (PT), Matheus Ribeiro (PSDB), Rogério Cruz (Solidariedade), Sandro Mabel (União Brasil) e Vanderlan Cardoso (PSD). O deputado federal Gustavo Gayer (PL) não atendeu pedido de entrevista.

Os polos econômicos já constam no novo Plano Diretor de Goiânia, mas ainda precisam de regulamentação pela Prefeitura. É quase consenso entre os pré-candidatos que a criação de polos industriais e comerciais em Goiânia ainda esbarra em diversos desafios. Como a necessidade de infraestrutura adequada, qualificação da mão de obra e incentivos fiscais atrativos.

Confira os principais pontos defendidos pelos pré-candidatos a prefeito de Goiânia:

Adriana Accorsi (PT)

A pré-candidata Adriana Accorsi (PT) reconhece a importância da criação de polos para o desenvolvimento da cidade. Ela propõe a instituição de polos de desenvolvimento econômico, com ênfase nos setores industrial, comércio atacadista e serviços.

A ideia é definir áreas estratégicas dentro do Plano Diretor de Goiânia para a instalação desses polos. Além de implementar programas de atração de investimentos em inovação tecnológica e economia limpa, principalmente, para o Centro da capital.

A petista aponta ainda que é necessário dar mais agilidade aos registros de novas empresas. E desenvolver e incentivar as atividades econômicas nos setores de turismo, gastronomia, cultura e tecnologia da informação em áreas que necessitam de urgente ordenamento urbano.

Adriana aponta ainda a criação de um balcão único de atendimento às empresas, estabelecer eixos de ordenamento e integração da atividade econômica e criar uma estrutura na Prefeitura para atrair investimentos.

Matheus Ribeiro (PSDB)

O pré-candidato Matheus Ribeiro (PSDB) propõe a criação de diversos polos, incluindo um “ecopolo”, com foco na logística reversa e na gestão de resíduos sólidos. Ele também defende a regulamentação do Parque Tecnológico do Samambaia e a criação de um polo industrial na área do Aeroporto Santa Genoveva.

O pré-candidato diz que é necessário que a Prefeitura tenha um papel mais ativo na implementação dos polos e na atração de empresas. Também defende o conceito de “cidade em 15 minutos”, onde as pessoas podem ter acesso a tudo o que precisam em um curto raio de distância de suas casas.

Matheus destaca a importância de investir em infraestrutura como transporte público, ciclovias e áreas verdes. O pré-candidato acredita que os polos industriais e comerciais podem ajudar a transformar a realidade das comunidades locais, gerando emprego e renda, além de melhorar a qualidade dos serviços públicos.

Rogério Cruz (Solidariedade)

O atual prefeito Rogério Cruz (Solidariedade) defende a criação de sete novos polos em Goiânia. Um exemplo, segundo ele, é o “Aerotrópole”, no entorno do Aeroporto Santa Genoveva. Explica que, através de incentivos fiscais, pode transformar a região em um hub para empresas ligadas à aviação, impulsionando a competitividade do setor e gerando novas oportunidades.

Além do Aerotrópole, Rogério Cruz destaca a criação de outros polos: Parque Tecnológico Samambaia, no campus da Universidade Federal de Goiás; Polo Tecnológico e de Inovação, nas áreas adjacentes à Estação de Tratamento de Esgoto Dr. Hélio Seixo de Britto; Polo Industrial, Empresarial e de Serviços, no entorno do Aeródromo Nacional de Aviação; Polo de Logística de Combustíveis e Terminal de Armazenamento no entorno dos setores Jardim Novo Mundo, Chácara Botafogo, Vila Martins, Chácara Santa Bárbara, Jardim Califórnia Industrial; e o Polo Atacadista, localizado em área a ser definida pela Prefeitura.

“Iremos atrair mais empresas, gerar emprego e renda para a população, além de requalificar uma região importante para a nossa cidade. Somos o segundo maior pólo aeroviário do país e daremos suporte para que possamos crescer ainda mais”, destaca Rogério Cruz.

Sandro Mabel (União Brasil)

Sandro Mabel defende a criação de vários micro e pequenos distritos empresariais na capital, em regiões mais populosas e carentes, como as da Região Noroeste e o Jardim Guanabara. “Além de gerarmos empregos e renda, vamos também reduzir o impacto no trânsito de Goiânia, com o menor percurso de deslocamento para os trabalhadores de suas casas até os distritos empresariais”, diz.

O pré-candidato também destaca a importância de diversificar os setores contemplados pelos polos, de acordo com o potencial de cada região da capital. Entre os polos empresariais, cita como exemplos o da confecção, do moveleiro, de tecnologia, além de pequenas e médias indústrias que não geram poluição.

Sandro Mabel defende, com planejamento, destinar áreas públicas sem uso da Prefeitura de Goiânia para esta finalidade. O pré-candidato afirma que sua equipe já está analisando áreas públicas para esse propósito. E que também planeja buscar parcerias com o Senai para formação de mão de obra qualificada para as novas empresas a se instalarem nos distritos.

Também aponta a necessidade de desburocratizar o processo de criação dos distritos empresariais, dota-los de infraestrutura básica e oferecer incentivos fiscais para as empresas investirem na capital. Frisa que fará isso em parceria com o governo de Goiás.

Vanderlan Cardoso (PSD)

Já o senador Vanderlan Cardoso (PSD) destaca ser necessário que os polos empresariais sejam divididos por regiões. Ele cita que, quando prefeito de Senador Canedo, foram implantados quatro polos de desenvolvimento na cidade. E diz que Goiânia está ficando para trás em quesitos econômicos devido à falta de novas áreas industriais na capital.

“Temos mapeado as vocações de cada região e vamos implantar os polos de desenvolvimento, oferecendo emprego para as pessoas, perto de suas casas, o que já colabora com a melhora no transporte coletivo, aumentando a renda familiar e gerando riquezas para a cidade”, diz.

Vanderlan acredita que os pólos sejam instalados em todas as regiões de Goiânia, sendo que cada um deve respeitar a sua vocação e levando em consideração a não poluição das áreas. “Por exemplo, no vazio urbano que há entre a UFG e o Residencial Orlando de Morais, podemos implantar diversos polos. Estaria perto da UFG e atenderia toda aquela região que sempre foi esquecida”.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não será publicado.

Últimas Publicações Últimas Publicações