quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024
Chocolate artesanal goiano conquista mercados

Chocolate artesanal goiano conquista mercados

Com fabricação artesanal, do grão à barra, a indústria Chocolate C’alma de Goiânia ganhou reconhecimento internacional.

21 de outubro de 2023

Produtos da chocolat maker Ariana foram premiados pela Academy of Chocolate Awards

Um produto único, totalmente artesanal e, ainda assim, com viabilidade para produção industrial. É assim o Chocolate C’alma, produzido em Goiânia pela chocolat maker Ariana Silva Ribeiro desde 2019. Foram muitos testes e tentativas até chegar aos itens do catálogo especial, destinado a consumidores de paladar apurado. Entre eles está o chocolate ao leite intenso 55% com chips de coco e café. Premiado com medalha de bronze pela Academy of Chocolate Awards, de Londres, no ano passado. Detalhe: concorrendo com produtos de países como Suíça, conhecida pela qualidade de seus chocolates.

Atualmente, a Chocolate C’alma produz cerca de 200 quilos por mês, em um processo artesanal que inclui a moagem da amêndoa do cacau. Chega para Ariana a partir de pequenos produtores da Bahia e do Pará que trabalham com o cacau fino. Ele tem um custo quatro vezes maior do que o comercial e processo de fermentação de sete dias – também de forma artesanal e orgânica.

A fábrica fica nos fundos da loja de chocolate, no Jardim América, em Goiânia. Ariana faz planos de comprar mais maquinário para expandir a produção, sem abrir mão da qualidade que consagrou seus produtos.

Oportunidade

Ao EMPREENDER EM GOIÁS (EG), a empresária conta que não sabia que havia produtores artesanais que produziam o próprio chocolate. Até que provou um chocolate que sua tia trouxe de viagem aos Estados Unidos. Tudo era diferente, desde a textura até a embalagem, sem contar a mistura de gengibre cristalizado. “Pensei que seria legal se tivesse a oportunidade de produzir algo parecido”, lembra.

Engenheira de produção por formação, Ariana tinha uma loja de roupas em sociedade com a irmã. Elas venderam o negócio e Ariana, com filha pequena, começou a buscar outra opção de trabalho. Olhou cursos de especialização e se lembrou do chocolate artesanal. Começou a pesquisar e descobriu que em São Paulo havia uma fábrica que dava curso. Era 2019 e ela ficou uma semana em terras paulistas para fazer o treinamento.

Pediu ao sogro, em viagem aos EUA, que trouxesse um moinho importado para beneficiar o cacau – não havia semelhante para comprar no Brasil – e começou suas experiências. “No início, saía tudo, menos chocolate. Era cobertura para bolo, brownie”, brinca.

Crescimento

Aos poucos, Ariana começou a “acertar a mão” com seus chocolates e logo começaram as encomendas. No Natal daquele ano, percebeu que não conseguiria mais fazer sozinha. Às vésperas da Páscoa de 2020, buscou ajuda. “Foi um crescimento orgânico. Produzia, vendia, ganhava dinheiro e investia em maquinário”, conta. Logo depois, foi preciso alugar uma quitinete perto de sua casa, contratar funcionário e abrir CNPJ.

Em novembro do ano passado, a Chocolate C’alma se mudou para o novo local. Ariana tem cinco colaboradores e logo precisará contratar mais, além de mais equipamentos. Os chocolates são vendidos na loja e em cafeterias de Goiânia e cidades do interior goiano, como Pirenópolis, Iporá e Ipameri. Além de pontos de revenda em Brasília, São Paulo, Campinas, Palmas e algumas cidades do Mato Grosso.

Tudo continua sendo artesanal, desde o processo de descascar e torrar as castanhas de cacau até a moagem e a fabricação do chocolate propriamente dita. “Prezamos pela qualidade dos ingredientes que usamos e do processo de fabricação”, diz a empreendedora.

Prêmio internacional

Em contato com outros produtores de chocolates finos e artesanais no Brasil, que têm uma associação, Ariana decidiu testar um de seus produtos no concurso realizado pela Academy of Chocolate Awards, de Londres, o mais renomado do mundo. “Queria ter um feedback sobre a qualidade do nosso chocolate, até porque o júri é muito técnico”, relata.

O chocolate C’alma ao leite com coco e café conquistou os exigentes jurados e ficou com o bronze na categoria que disputou. “Para nós foi uma emoção muito grande, é uma chancela, um reconhecimento internacional”, comemora.

A Academy of Chocolate é um órgão independente que promove o chocolate verdadeiro. Isso é conseguido por meio do trabalho com fabricantes, produtores e retalhistas para aumentar a conscientização e o compromisso do papel que o chocolate desempenha na sociedade e no bem-estar em geral.

Leia também: Doce Nerópolis investe para dobrar sua produção

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não será publicado.