segunda-feira, 4 de março de 2024
Fast Dry Wall triplica o faturamento em um ano

Fast Dry Wall triplica o faturamento em um ano

Depois de precisar fechar choperia na pandemia, casal goiano investe em outro negócio na área da construção. Em um ano o faturamento triplica.

5 de janeiro de 2024

O casal Bisinoto ao lado de colaboradores e parceiros: negócio quase triplicou de faturamento em um ano

Hilanna Vitória Bisinoto e o marido Rafael Stival Bisinoto sonhavam em empreender. Ela, advogada. Ele, engenheiro civil, com experiência de anos trabalhando no exterior com dry wall (sistema de construção a seco) e still frame (estruturas de aço leve). Quando Rafael voltou para o Brasil, o casal decidiu abrir uma choperia e restaurante no Setor Goiânia 2. Funcionou durante cinco anos até a chegada da Covid-19. No final da pandemia, estavam com dívidas e, em meados de 2021, decidiram fechar o negócio.

“Voltei para casa, fui estudar para concursos. Ele voltou para a construção civil”, diz Hilanna ao EMPREENDER EM GOIÁS (EG). Mesmo com o negócio fechado, o casal decidiu manter o ponto, em frente à entrada da Reitoria da UFG. “Tínhamos coisas da choperia e vendemos para manter o ponto, que aos poucos fomos transformando em um galpão. Hoje é a nossa loja”, afirma.

A inauguração da Fast Dry Wall aconteceu em agosto de 2022. Mas começou a ser planejada um ano antes, em um trabalho de pesquisa para não repetir os mesmos erros cometidos com a choperia. A empresária Hilanna reconhece que fecharam a empresa por falta de gestão. “Peguei, então, o notebook e fui estudar planejamento de negócio, gestão financeira”, diz.

O casal procurou ajuda e conheceu o Plano Sebrae Brasil Mais. Hilanna relata que aprendeu sobre gestão financeira e demonstração de resultado de exercício (DRE). Também conheceu planos de negócios e fornecedores.

Crescimento

Com a estrutura de gestão da empresa adiantada, começou a busca pelos primeiros clientes. Em março de 2022, o casal fechou parceria com o engenheiro civil Sérgio Borges de Moura Júnior, que também tinha vontade de empreender. “Fomos buscar clientes e espaço no mercado. Quando veio a inauguração da loja, já tínhamos o primeiro contrato, uma obra de grande fechada, para fornecimento de mão de obra e material”, relata Hilanna.

Quando abriram a loja, havia R$ 60 mil de estoque de material. “Para inaugurar, mesclamos um pouco de cada mercadoria”, lembra Hilanna. O pai de Rafael, Antônio Bisinoto, foi e continua sendo fundamental para tudo funcionar. Ele fez as vezes de pedreiro, motorista, almoxarife. As entregas eram feitas em um Fiat Strada. “Até eu já ajudei a descarregar placas, junto com as nossas filhas”, rememora Hilanna.

Com a propaganda boca a boca, a Fast Dry Wall foi conseguindo novos contratos e, em pouco tempo, foi possível expandir. Só em 2022, o faturamento foi de R$ 1,3 milhão. Em 2023, contrataram mais profissionais. Até outubro do ano passado, o faturamento da empresa já tinha crescido para R$ 3,2 milhões. Cerca de 70% do faturamento da empresa vem de obras verticais. O restante é com o varejo.

“Nossa meta do ano era de R$ 3 milhões, mas em outubro já havíamos ultrapassado”, comemora a empreendedora. Para 2024, a meta é de R$ 6 milhões de faturamento e chegar a 26 colaboradores (hoje são 21). Para sustentar essa expansão, a empresa vai construir um galpão maior, em Nerópolis.

Leia também: Arquiteta goiana é referência em plantas industriais

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não será publicado.