quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024
Indústrias goianas têm o 3º maior aumento do país

Indústrias goianas têm o 3º maior aumento do país

A produção industrial goiana cresceu 6,1% no ano passado, o terceiro maior aumento do país, segundo pesquisa do IBGE.

8 de fevereiro de 2024

Conforme o IBGE, a fabricação de produtos alimentícios foi responsável pelo desempenho do setor

A produção industrial goiana cresceu 6,1% no ano passado. É o terceiro maior aumento do país, atrás apenas do Rio Grande do Norte (13,4%) e Espírito Santo (11,1%). Segundo pesquisa divulgada nesta quinta-feira (8/2) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O desempenho foi puxado pela fabricação de produtos alimentícios (leite em pó, carnes bovinas e de aves), que acumulou alta de 8,8% no ano, melhor resultado desde 2008.

Outros destaques positivos foram a fabricação de biocombustíveis (álcool etílico), que subiu 2,7% no ano passado; produtos químicos (12,2%); metalurgia (16,7%), fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos (2,8%), produção de minerais não metálicos (6,8%) e metalurgia (16,7%).

Tripé

Para o economista Cláudio Henrique, da Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg), o ótimo desempenho da indústria goiana está fundamentado no tripé de fabricação de alimentos, setor farmacêutico (segunda maior produtor de genéricos do país e outros medicamentos) e biocombustíveis (etanol e açúcar).

Mas ressalta que a principal base é o setor de alimentos, cuja produção tem crescido bem como o número de pedidos. Também influencia a inflação mais baixa que aumenta o poder de compra. Além disso, com os preços das commodities em baixa, os preços caem e o consumo cresce.

Mesmo com dois resultados positivos no final do ano, o setor de confecção de artigos do vestuário e acessórios fechou 2023 com recuo de 0,5%. Também registraram quedas no acumulado do ano a fabricação de máquinas e equipamentos (-17,7%) e produção de veículos automotores, reboques e carrocerias (-6,4%).

Leia também: Goiás pode receber investimentos de até R$ 15 bi

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não será publicado.